poeta Nunes

sábado, 13 de agosto de 2016

Poesia esotérica

Constelação

Eu quis ir até a constelação,
O menino desceu das estrelas
De uma brilhante constelação
Com meia dúzia de estrelas.

O céu relevou um mapa
Com todas as cores das bandeiras do mundo...
Um pedaço céu caiu
Feito um papel queimado, mas inteiro.

Colhia o papel e coloquei em baixo
De meu travesseiro em outra dimensão...
Quando acordei o procurei em vão.

J.Nunes 

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Poesia espiritualista

Esvaziar-se

Sem religião,
Sem igreja,
Sem sistemas,
Sem conceitos,
Sem política,
Sem ideologias,
Sem razões,
Sem propósitos,
Sem palavras.

Esvaziado,
Em silêncio:
É assim que eu começo a caminhar.

J.Nunes


11-08-2016

domingo, 7 de agosto de 2016

POESIA ESOTÉRICA

Tome, Dr., esta tesoura, e... corte minha singularíssima pessoa. Que importa a mim que a bicharia roa todo o meu coração, depois da morte?!
Augusto dos Anjos

O poeta da Morte

Olhei a vida de outra perspectiva,
Olhei a vida pela perspectiva da morte,
De quem está morto,
Feito o “Poeta da Morte”.

Perdi o medo da morte
E de olhar a vida da morte para a vida.

O cadáver ,se fosse possível,
Encontraria o prazer em ser comido pelo verme
E pelas moscas que possam em seu corpo em decomposição.

A vida quando não é olhada do ângulo da morte para a vida
Ela é sentida como um corpo em decomposição, se pudesse,
Viveria  o prazer de ser consumido pelos vermes.

A vida vivida sobre a perspectiva do prazer tem o sabor de lascívia,
Tem a função de ser matéria orgânica para a natureza,
A vida olhada da perspectiva da morte é consciência
E vida muito além da matéria
E das finalidades da natureza e dos sistemas.

J.Nunes    07-08-2016



Publicações

Marcadores