Pesquisar este blog

COMPARTILHAR

Minha velha juventude

Em outro momento o amor brilhou assim,...
Outras vezes eu quase enlouqueci,
Coloquei na pessoa amada todos os meus ideais,
Pensei que o amor viesse pronto e com um manual...
Logo apareceram outras pequenas discórdias,
Defeitos quase intragáveis,
Desejos irrealizáveis,
Sonhos que não eram meus,
Incompatibilidade de gênero...
Com tudo isso, o amor foi para os bastidores
E sobressaiu o ódio, a raiva por não poder realizar o que foi sonhado...
Em todos esses momentos os princípios morais e a ética
Não me deixou faltar com o respeito...
Mas tudo já está em ruínas, penumbras e escombros.

Dessa vez não vou me deixar guiar pelo brilho de olhos amorosos
Que acendem em mim um desejo de viver o amor
Tão intensamente como quando eu era jovem...
Eu ainda conservo no corpo e na alma a imortalidade do amor
E o desejo de ser livre, sou tão jovem por dentro,
E me sinto ainda muito jovem por fora...

Tão jovem que o amor me arde na pele,
E meu coração ainda deslumbra o fogo, a vida e a liberdade
Porque em minha alma tem ainda o fogo
Que não cabe, que não sucumbe  nessa vida sem tempero e sal...
Deslumbro uma vida intensa de Deus e amor carnal.
Apesar de incontáveis fracassos
Tenho o mesmo sangue nos olhos e o mesmo fogo no coração
De quando eu era jovem e deslumbrava esses sonhos,
Hoje, contados todos como derrotas incontestáveis.

Mesmo que eu desapegasse dos preceitos morais e da ética,
Minha alma e minha mente não me permitiria tamanha ousadia...
A sensatez e a lógica fala mais alto,
A experiência  me faz prudente e cuidadoso...

Foi preciso muitos fracassos para dizer o que vou dizer agora,
De outro modo não seria possível dizer que me sinto
Tão próximo dos jovens por ter que cair tantas vezes
E recomeçar tantas vezes,
Me sinto perto dos jovens porque
A vida me obriga sempre a viver caindo, abandonando o que não deu frutos
E a recomeçar outras projetos como se eu fosse um rapaz de vinte anos.
O fracasso não me permitiu a arrogância e a indiferenças
Dos velhos bem sucedidos e muito respeitados pelo que são e foram.
Eu não fui nada...Logo é descabida qualquer prepotência,
No entanto me sinto tão bem e jovem que  o orgulho, a vaidade e a arrogância
Me são descabidas, até mesmo que eu não tenha nada para me orgulhar.

Confesso que me  incomoda parecer tão jovem
E no fundo tenho essa vergonha de ser um fracasso na vida.

Pensei que posso usar e olhar esse amor de outro modo,
Mas o que é o amor se não uma ilusão e uma idealização da pessoa amada,
Depois o amor exige reciprocidade, e quase sempre quer que o seu amado
Viva em seu mundo...Assim começa as primeiras discórdias,
As diferenças são negociadas, algumas coisas são abandonadas
Até que o amor, a juventude e a liberdade morrem porque perdem o ar...

Eu não perdi o ar porque tenho na alma um fogo incontido.

Não escrevo poemas com a ilusão de que serão lidos,
Só continuo escrevendo para não enlouquecer...
Por causa do fogo do amor e do tédio dos fracassos.

José Nunes Pereira


   



Aos pés do coveiro

O que me importa
Se não  ouvem o que digo,
Se não leram o que escrevi,
O que me importa...
Meus versos não são para ninguém,
São apenas meus reflexos na água,
Minha sombra no chão,
São paisagens abstratas do caminho.
O que importa...;
Morrer é tudo que me resta...
Não guardo nada,
Não conservo nada nos bolsos da alma.
Quem morre deve ser imparcial
Consigo mesmo.
A morte não aceita meia morte..

Meu verso será procurado
Na hora da morte.
Não haverá outro feito,
Tudo que te resta
É o choro aos pés do coveiro.

José Nunes Pereira


O MEU DIA...

O meu dia... 

Não  reserve nada para ti,
Não separe ou preserve por apego,
Coloque fogo em tudo,
Queime tudo...
Nada poderá sobreviver...
Tudo deve ser consumido...
Como no dia que cairá fogo do céu.

Conservei para mim um pecado,
Zelei de um vício,
Em segredo alimentei um diabo.
Tudo porque eu sobro
Nessa apatia do mundo...

Sei que é a hora da morte,
Não se pode conservar vivo
Um ramo em uma  árvore morta.

Não se pode conservar vivo
Um demônio que pertence a uma legião de demônios.

Será o meu dia...
Foi para esse dia que eu nasci,
Só pode ser para esse dia!
Porque até o momento
Eu para nada servi.

José Nunes Pereira