poeta Nunes

domingo, 9 de fevereiro de 2020

Alvo em movimento



Alvo em movimento

Eu não acerto porque em tudo que miro
há movimento, ou se poe em movimento.

Eu sou meu  próprio alvo em movimento desajeitado,
você é meu alvo em movimento,
em seus olhos sentimentos que não se fixam.

Quando caminho para o alvo,
quanto dou o bote
meu alvo se poe em movimento,
eu não erro o alvo,
o alvo é que se poe em movimento,
eu não erro o salto,
o alvo é que se poe em movimento.

Fique parada que eu te acerto,
fique parada que eu te alcanço,
fixe meu amor em seus olhos
que eu acerto o alvo.

Quando eu atiro a frente,
por onde deveria passar meu alvo,
ele muda de direção,
quando não é o vento.

Mesmo quando durmo,
ou sento calado feito um velho monge do deserto,
minha alma se poe em movimento.

Tudo está em movimento,
na estagnação das águas que leva á podridão;
na oxidação que leva ao envelhecimento.

Nessa casa velha o movimento dos fantasmas,
o movimento das ruínas;
na morte há movimento,
nas coisas que se desidratam,
em tudo há uma sincronia de tempo e movimento,
e som em tudo que se move.

Nos seus olhos o movimento dos desejos que não se fixam.

Nunes


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Publicações

Marcadores